03.08.2016 - 09:47:26
Alunas celebram a força e determinação da mulher durante formatura Efor-PB

Com uma plateia de filhos, maridos, pais, irmãos e amigos, a 1ª turma composta exclusivamente por mulheres da Escola de Formação (Efor) da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado da Paraíba (Fetag-PB) recebeu na noite da última quinta-feira (28), seu certificado de conclusão do Curso, durante solenidade realizada no auditório da entidade, em João Pessoa.

Cantando “Amigos para Sempre”, as 28 alunas que conseguiram chegar até o fim do curso celebraram a determinação que tiveram, movidas pela vontade de aprender mais e se superarem como profissionais, mulheres, mães, esposas, etc. Durante 3 meses, elas passaram pelo menos uma semana inteira alojadas no Centro de Treinamentos da Fetag, longe de suas famílias, para buscar mais conhecimento.

Elas representam os Sindicatos dos municípios de: Pocinhos, Alcantil, Pedro Régis, Bernardino Batista, São Vicente do Seridó, Uiraúna, Nova Palmeira, Nova Floresta, Bananeiras, Mamanguape, Araruna, Cuité, Campina Grande, Caldas Brandão, Picuí, Juripiranga, Belém, Salgadinho e Matinhas.

O nome da turma Antônia Esmerina de Oliveira (Dona Nova), ex-presidente do STTR de Matinhas, foi uma homenagem a umas das grandes lideranças femininas que o Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR) paraibano perdeu no mês de maio deste ano. Ela era também avó de uma das alunas, Wilma Farias. A madrinha da turma foi a professora Sandra Magda Xavier, colaboradora da Fetag para discussão da Política de Educação do Campo.

Ao fim da solenidade, as alunas homenagearam a coordenadora da Efor-PB, Cleide Araújo, com um vídeo e um presente, num reconhecimento a sua dedicação a causa da formação de lideranças para representarem melhor os Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais paraibanos.

“Fiquei bastante emocionada, pois essa é uma das bandeiras que levantei desde minha chegada a Fetag, quando acabamos fundando a Escola de Formação. Não é fácil, principalmente por ser mulher, levantar e encampar novas bandeiras e lutas, mas passados 8 anos da fundação da Efor, e com 5 turmas formadas, já começamos a ver os frutos dessa semente plantada em 2008, que teve também como grande incentivador o amigo Jordivan Lucena. Além de preparar melhor as lideranças, temos na Escola, a possibilidade de identificar potencialidades de lideranças que darão continuidade a luta pelos direitos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais. Não vejo mais hoje, o Movimento Sindical sem esse processo formativo, que possibilitou as lideranças uma visão muito mais ampla”, destacou Cleide.

Avaliações - Ivoneide Rosário, diretora do Sindicato de Bananeiras, iniciou o curso nos últimos meses de gestação, e para concluir os outros 2 módulos teve que deixar o filho de poucos meses com o pai, em casa. “Não é fácil enfrentar tantas dificuldades para seguir essa luta, mas vale a pena porque temos que nos abastecer de informações e mais conhecimento para poder passar na nossa base. Uma das maiores dificuldades foi ter deixado meu filho, no 2º módulo, com apenas 4 meses. Sofri muito passei a semana toda praticamente sem dormir. Agora no último módulo, ele já estava com 6 meses, e foi igualmente dolorido, ter que sair de casa vendo ele me olhando e me dando os braços. Chorei muito. E justamente nessa semana nasceu seu primeiro dentinho, um momento importante para toda mãe e seu filho. No entanto, faria tudo de novo, pois vale a pena ver o reconhecimento do nosso trabalho e a gratidão dos nossos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais pelo nosso trabalho”.

A dificuldade de ter que deixar filho pequeno e família em busca de aperfeiçoamento para a luta do Movimento Sindical, também é destaque na avaliação de Ivone Ribeiro, Conselheira Fiscal do Sindicato de Mamanguape. “Deixei meu filho de 1 ano com minha mãe, que tem 73 anos. É bem complicado, porque ela já tem alguns problemas de saúde por conta da idade. Mas conto ainda com o apoio das minhas irmãs. Mas o curso vale muito a pena, só tenho a agradecer, pois através dele pude exercitar e melhorar alguns pontos para o meu trabalho, como a dificuldade que tinha de falar em público. Também, juntamente com a vice-presidente do STTR, que também fez o curso, ativamos o Conselho de Mulheres do Sindicato e estamos organizando a formação de um Grupo de Estudos Sindicais (GES). Gostei muito não só de participar, mas do que aprendi e da forma que aprendi”, finalizou.

Nova Turma – Segundo a coordenadora da Escola, Cleide Araújo, essa foi a primeira turma de muitas que virão. “Já tivemos a confirmação de recursos da Contag, e muito em breve estaremos realizando a segunda turma exclusiva de mulheres na Fetag, em Patos, para facilitar o acesso daquelas que não puderam se deslocar até a Capital para essa primeira turma. A intenção é repetir esse curso a cada ano, nos deslocando para todas as regiões do estado para que possamos expandir esses conhecimentos para quem não teve a oportunidade de estar conosco”, finalizou Cleide.
 


Voltar | Início | Imprimir

Relacionadas:
Cem mil mulheres mostram ao Brasil o poder das margaridas do campo, floresta e águas
Marcha das Margaridas 2019 começa nesta terça (13)
Cartilha da Trabalhadora Rural será lançada durante Marcha das Margaridas
Rurais em defesa da Previdência Social
Secretaria da Contag faz balanço sobre votação da MP 871 em Comissão Mista
 
 

 

2010 - 2019 - Direitos reservados.
Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado da Paraíba - FETAG-PB
Av. Rodrigues de Aquino, 722 - Jaguaribe - João Pessoa / PB - Tel.: 83 - 3241-1192