26.01.2012 - 11:15:48
Sedap alerta sobre proibição do uso de cama de frango na alimentação de animais

O secretário do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, Marenilson Batista, faz um alerta aos pecuaristas sobre a proibição e os riscos da utilização da cama de frango na alimentação dos animais bovinos, bubalinos, caprinos e ovinos. O objetivo é garantir a sanidade animal na Paraíba, uma vez que o produto pode provocar a doença conhecida como vaca louca e o botulismo.

Segundo Marenilson, a utilização da cama de frango na alimentação dos bovinos, bubalinos, caprinos e ovinos foi proibida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pela Instrução Normativa N° 08, de 25 de março de 2004. Cama de frango é o material utilizado para forrar o piso dos galpões onde são criados os aviários, acrescidos das fezes, restos de ração e penas, e que é oferecido como ração aos animais pelos criadores.

Ele adiantou que a Instrução Normativa do Mapa proíbe ainda o uso de sangue e derivados, farinha de sangue, carne e ossos, de ossos autoclavados, de resíduos de açougue, de vísceras de aves, de penas, de resíduos de abatedouros de aves e qualquer produto que contenha, em sua composição, proteínas, gorduras de origem animal e resíduos da exploração de suínos.

O gerente executivo da Defesa Agropecuária, Rubens Tadeu, explicou que, dentre as doenças que podem ser veiculadas pela cama de frango, estão a encefalopatia espongiforme bovina, popularmente conhecida como doença da vaca louca, e o botulismo. Ele disse que uma propriedade rural no município de Itabaiana foi flagrada alimentando o gado com cama de frango. Por isso, 29 animais foram separados e serão sacrificados, conforme a legislação vigente.

Tadeu explicou que, quando a cama de frango é encontrada nos cochos dos animais, o pecuarista é notificado e as amostras recolhidas são enviadas ao laboratório. “Se for confirmada a presença de proteína animal na ração, o pecuarista pode sofrer sérias punições, que vão desde o abate dos animais até multa fixada pela Justiça”, disse ele.

O gerente executivo da Defesa Agropecuária destacou que, se o laudo laboratorial constatar a existência de proteína de origem animal na cama de frango oferecida aos animais, o pecuarista tem 30 dias para abater esses animais em abatedouro com inspeção oficial, em veículo lacrado pela Defesa Agropecuária Estadual.

Caso o pecuarista se recuse a abater os animais, Rubens Tadeu ressaltou que a Defesa Agropecuária se desloca até a propriedade, com a ajuda da Polícia Militar, e faz o sacrifício sanitário na propriedade, com destruição da carcaça.


Voltar | Início | Imprimir

Relacionadas:
Prazo para vacinar o rebanho contra a aftosa termina na próxima quinta-feira (31)
Vacinação contra aftosa começa e vai até fim de maio. Objetivo é alcançar status de livre da doença
Sedap alerta sobre proibição do uso de cama de frango na alimentação de animais
Estado abre nesta segunda-feira a 2ª etapa de campanha contra febre aftosa
 
 

 

2010 - 2019 - Direitos reservados.
Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado da Paraíba - FETAG-PB
Av. Rodrigues de Aquino, 722 - Jaguaribe - João Pessoa / PB - Tel.: 83 - 3241-1192